quinta-feira, 20 de julho de 2017

APOLOGIA DA INDIFERENÇA

Tanto faz comer ou não ter o que comer,
Tanto faz ter saúde ou estar doente,
Tanto faz santificar-se ou demonizar-se,
Tanto faz pecar ou fazer milagres,
Tanto faz estar íntegro ou corrompido,
Tanto faz sentir frio ou calor,
Tanto faz estar vivo ou estar morto...

Deixar um bom tanto de ‘tanto faz’
Tomar posse de nós, tomar conta de nós

Tanto faz ir para a direita ou para a esquerda,
Tanto faz ter ou não ter para aonde ir...

‘Aonde ir’ não está ‘AQUI’!

Magnetizar-se em uma volatilidade atemporal e inespacial.

Deixar-se ficar nesse magnetismo
Não importando onde esteja
Não importando com quem esteja

Os pássaros sabem quando e para aonde migrar

Eles simplesmente alçam voo
E seguem voando....

Deixar-se ficar no volátil concede a graça de voar

Libertar-se da dor, libertar-se de qualquer dor, volatizar a amargura

Volatizar o amor... desprender-se de desafetos... desprender-se...
Deixar-se ficar no diáfano

E alçar voo... e seguir voando... e nada mais!

Nabil Chaar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se confortável para expressar suas impressões aqui. Receberei com grande alegria e retornarei o mais rápido que puder. Abraços fraternos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Agradecemos pela sua indicação!

Top Ten (as 10 postagens mais vistas)

Aos Visitadores

Aqui não há seguidores. Quem aqui vem e permanece, não segue a nada nem a ninguém.
Aqui há VISITADORES.
Recuso-me a chamá-los de 'companheiros' ou 'acompanhantes'
pelo significado pejorativo ganho por estes termos em anos recentes.

Bem-vindos

Visitadores