domingo, 14 de outubro de 2012

E assim se desencaminha a humanidade...



A única verdade de efeito real sobre as ações particularmente atuantes no agora é a resultante de concepções estritamente pessoais.

Pouco importam as vozes dos Mestres ou dos baluartes da filosofia. (Retoricamente, rendo   homenagem aos Mestres e Filósofos).

A única voz - para quem dou a vez no agora - é a minha. A única vez - para a qual dou a minha voz - é o agora.

O que verdadeiramente tem efeito no meu instante presente é o que está em processo de gestação dentro de mim.

Conceber estados psico-emocionais saudáveis se assemelha a parir.

Reveses sindrômicos da gestação; quais sejam: o enjoo, a ânsia de vômito, as pancadas no ventre, as instabilidades emocionais; tipificam o processo de concepção.

Quem se dispõe a viver esta espécie de gravidez, seja mulher ou homem, assume os riscos sintomáticos resultantes desta escolha e adentra em processo irreversível de gestação, onde nem o aborto e nem o nascimento prematuro são possíveis, nem mesmo ao arrependido.

Enquanto o prazo cabal de gravidez não se cumprir, apesar das alegres expectativas do rebento ou dos reveses envolvidos, a atmosfera gravitacional terrestre poderá causar sensação de peso.

Porém, a proximidade do parto confere novo núcleo gravitacional, isento da gravidade atmosférica pesada.

Quanto menos atraídos por verdades alheias, mais habilitados à apreensão da verdade unificadora, em detrimento de sugestões sutis separatistas nas quais a turba se desencaminha.

Nossas ações, então, ficarão imbuídas de mais humanidade...
E nossos descaminhos, de uma certeza inaudita!!!

LibaN RaaCh

2 comentários:

  1. Sim, caríssimo amigo e irmão : a humanidade tem o poder de parir um novo ser. Mas o problema é que, neste caso, só pode haver nascimento com a morte da genitora. Este é o nosso conflito maior e o que leva muita gente ao desespero e aos descaminhos! Belíssimo texto! Fraterabraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre, irmão e amigo Alsibar, seus comentários enriquecem por levarem a novas reflexões...

      Entendo a alusão feita à "genitora" (e, por favor, me corrija se estiver enganado) como sendo tudo aquilo que quer nos "gerar" ou - melhor dizendo - nos "gerir", nos comandar, quais sejam os ensinamentos mal compreendidos e toda soma de sugestões externas. Esta é a "genitora", creio eu, que devemos matar.

      Dentre as violências que acometem nosso tempo, a maior delas - a que está no fundamento das animosidades coletivas e pessoais, resultando em confronto aberto, seja no âmbito das nações ou em nossas relações pessoais - é a propagação da descrença no poder contido em si mesmo para alterar, amorosamente, realidades inóspitas. É minando a confiança pessoal que se perpetuam mecanismos de controle e poder.

      A "geração" destes mecanismos que visam debilitar a confiança amorosa, esta "genitora", é a que deve ser extinta por meio de um sacrifício voluntário, por meio da elucidação meditativa!

      Espero ter conseguido ser claro nesta tentativa ingrata de abranger tema tão amplo em poucas linhas...

      Confraterno abraço!

      Excluir

Sinta-se confortável para expressar suas impressões aqui. Receberei com grande alegria e retornarei o mais rápido que puder. Abraços fraternos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Agradecemos pela sua indicação!

Top Ten (as 10 postagens mais vistas)

Aos Visitadores

Aqui não há seguidores. Quem aqui vem e permanece, não segue a nada nem a ninguém.
Aqui há VISITADORES.
Recuso-me a chamá-los de 'companheiros' ou 'acompanhantes'
pelo significado pejorativo ganho por estes termos em anos recentes.

Bem-vindos

Visitadores